Homero Pereira se despede da vida política para dar continuidade a tratamento contra câncer



  “Agora, meu grande projeto é lutar pela vida”, diz Homero Pereira ao se despedir da vida pública, em entrevista exclusiva ao site Midia News, de Cuiabá (MT).

Quatorze quilos mais magro e aparentando um aspecto físico mais frágil do que aquele visto por seus eleitores, meses atrás, o deputado federal Homero Pereira (PSD), aposentado no último dia 20 pela Câmara Federal, se despediu da vida pública na semana que passou.

Vitima de um câncer de estômago maligno, do tipo carcinoma, o ex-parlamentar, de 57 anos, viu seus projetos políticos barrados ao descobrir que não mais poderia conciliar os trabalhos, desenvolvidos desde 2006, no Congresso Nacional, com o tratamento da doença.

“Estou encerrando um ciclo na minha vida, que é essa questão política, para concentrar todas as energias na minha recuperação. Como meu último ato público, decidi que devia dar satisfação à sociedade mato-grossense”, disse.

Segundo deputado federal mais votado nas duas últimas eleições – com mais de 100 mil votos em cada eleição –, Homero entrou na política há 23 anos e sempre teve como bandeira o setor do agronegócio.

Ele já foi deputado estadual, secretário de Estado de Agricultura, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Como deputado federal, ele vivia o que considera o “auge” de sua carreira, como presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária.

Ao MidiaNews, Homero contou detalhes de como reagiu à descoberta da doença, como lida com o tratamento e com a nova rotina, da esperança que tem na superação do segundo câncer que enfrenta na vida e ainda opinou sobre política.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista:

MidiaNews – Como o senhor começou a vida política?

Homero Pereira – Eu comecei na vida pública em 1990, quando da eleição do Jaime [Campos] para governador. De lá para cá, não parei. Na eleição de 1990, teve até uma curiosidade, porque foi a primeira que participei e eu empatei com o José Riva: 3.103 votos para cada um. Como sou dois ou três anos mais velho que ele, eu assumi e ele ficou como meu suplente.

MidiaNews – E, obviamente, o senhor não gostaria de concluir esse ciclo dessa maneira…

Homero – É claro que não. Talvez eu estivesse, agora, no meu melhor momento político, presidindo a Frente Parlamentar de Agricultura, que é a mais importante do Congresso Nacional e a que tem mais membros. Até esses últimos dias era coordenador da bancada por Mato Grosso. Mas, infelizmente, tem coisas da biologia que não dá para a gente solucionar. É algo maior do que as minhas pretensões políticas. Essa decisão [de me afastar] não é política, é médica mesmo. Depois de ouvir os médicos, nós resolvemos que eu tinha que concentrar minhas energias no meu tratamento. Eu passei, de fevereiro para cá, por 15 sessões de quimioterapia, duas cirurgias, e continuo fazendo quimioterapia. Agora, estou aguardando o resultado de um exame de DNA que mandei para os Estados Unidos, porque os protocolos tradicionais não estão dando o resultado que a gente espera. Então, nós temos que estratificar isso via DNA para tentar encontrar a medicação correta para fazer o tratamento.

MidiaNews – Muitos, ainda mais na fase em que o senhor estava na política, não pensa que vai ficar doente e, até mesmo se acha, um pouco “imortal”. E, de repente, uma sequência de fatos delicados, muda completamente a sua vida. Como é lidar com uma doença como essa?

Homero – Você é chamado a refletir sobre a limitação humana e percebe que tem coisa muito maior que a gente. Nessas horas, só tem uma coisa que te ajuda a superar isso, que é você se apegar, com muita fé, em um ser superior, se apegar em Deus, na família, em outros valores que não são os valores da política. Porque a gente fica nesse meio político e dá a impressão que o mundo só existe e só gravita em torno da política. Daí, quando você se depara com uma situação como essa, você vê o quanto você é pequeno, apenas uma partícula no meio desse universo e você tem que se apegar a outras coisas. É preciso trabalhar muito a cabeça. Nesse período todo, com o apoio da família, eu fiz um exercício muito grande para aceitar isso. Temos a sensação de que todo político é imortal, porque fazemos projetos para daqui a quatro anos, oito anos, pensamos em sair para senador, para deputado federal, enfim, ficamos projetando coisas a longo prazo. Aí, você se depara com uma situação de saúde como essa, e tem que passar a fazer projetos para um dia ou dois. Estou encerrando esse ciclo porque meu projeto agora é exatamente de vida, não mais político.

MidiaNews – Quando o senhor começou o tratamento? 

Homero – Em fevereiro deste ano.

MidiaNews –O senhor estava sentido dores? Como foi o diagnóstico?

Homero – Foi tudo de repente. Eu fui para a votação na Câmara dos Deputados, porque havia eleição para o presidente da Câmara no dia 4 de fevereiro. Lá [em Brasília], no final de semana, eu já estava sentindo uma dorzinha no rim. Aí, passei a sentir uma dor no estômago mais forte. Então, fiquei na Câmara e fazendo exames nos dias 4, 5 e 6 de fevereiro. No dia 6 de fevereiro eu fiz uma endoscopia, onde foi diagnosticado o tumor no estômago, embora ainda não houvesse saído o resultado da biópsia. Nesse mesmo dia eu vim embora para Cuiabá. No dia 7 de fevereiro eu já estava em São Paulo e no dia 9 eu passei por uma cirurgia. Foi quando começou essa maratona. O exame mostrou que o tumor tinha tomado 70% do estômago e a linha de tratamento que se optou foi a quimioterapia, para ver se reduzia. Mas, depois de quatro sessões de quimioterapia, não reduziu. Trocamos o medicamento e fizemos mais quatro sessões de quimioterapia, e o tumor também não reduziu. Foi quando se optou por fazer a cirurgia de gastrectomia total.

MidiaNews – Como foi a cirurgia?

Homero – Foi para retirada total do estômago. Daí ligou-se o duodeno direto ao esôfago. Foi exatamente isso que me deixou mais magro, porque desde então eu como porções pequenas. Depois dessa cirurgia, foi diagnosticado que havia tido uma metástase (propagação do tumor) e eu comecei o tratamento dessa metástase. Depois da cirurgia [para retirada do estômago], eu fiz mais sete sessões de quimioterapia, que até agora não deu o resultado que a gente esperava. Foi quando se optou por fazer esse exame de DNA, enviando o exame para os Estados Unidos.

MidiaNews – Quantos quilos o senhor perdeu?

Homero – Eu emagreci 14 quilos.

MidiaNews – A metástase foi encontrada um local específico?

Homero – Ela foi localizada na região do peritônio [membrana que reveste a parede abdominal], próximo de onde foi retirado o estômago.

MidiaNews – E, quantas vezes por semana, o senhor precisa fazer quimioterapia?

Homero – Eu faço sessões semanalmente. Nessa semana, estou descansando porque fiz duas sessões seguidas. Aí, na semana que vem, faço mais duas semanas seguidas e volto para São Paulo.

MidiaNews – O tratamento está sendo feito em São Paulo ainda?

Homero – Estou intercalando em Cuiabá, na OncoMed, e em São Paulo, no Hospital Sírio-Libanês.

MidiaNews – Como foi o processo de aceitação da doença?

Homero – Primeiro, eu tive que trabalhar muito a cabeça. Me apeguei à Deus porque sou um homem de muita fé. Já passei por um câncer na garganta há 17 anos, quando era deputado estadual. Era um linfoma, naquela época. Você tem que se apegar aos médicos, fazer tudo aquilo que é recomendado e ter a cabeça tranquila para administrar tudo isso. Eu fiz a política dos três “efes”: família, foco e fé. Você tem que focar no tratamento, se apegar na família, que é quem te dá força, e ter muita fé. E é isso que eu tenho tentado exercitar.

MidiaNews – Quando descobriu a doença, o snehor chegou a passar por algum período de depressão ou se abateu?

Homero – Sim. Você tem períodos de altos e baixos. Tem semana que você está mais animado, em outras, você está mais desanimado. Mas esses também são os efeitos colaterais da quimioterapia.

MidiaNews – Mas, o senhor precisou de algum acompanhamento psicológico?

Homero – Não, graças a Deus, não. Até agora, estou administrando tudo muito bem. Minhas psicólogas são minha filha e minha esposa.

MidiaNews – Agora, se afastando da política, como é a rotina do Homero como um cidadão comum?

Homero – Agora, minha rotina é correr atrás de médicos, consultas e de reabilitar minha força física. Estou focado nisso.

MidiaNews – Foi difícil essa transição?

Homero – Completou uma semana essa minha nova condição, porque eu fiquei sabendo na segunda-feira (23) que eles haviam publicado a minha aposentadoria. Aí eu fui para Brasília, limpar as gavetas. Mas está tudo tranquilo. Eu trabalhei um pouco a cabeça que é para o coração aceitar isso [afastamento]. Logicamente, que, em um primeiro momento, você fica naquela angústia, porque você faz planos a longo prazo. De repente, leva um baque desse e é obrigado a colocar os pés no chão. Hoje já estou com a cabeça bem focada no seguinte: não adianta nada disso [política], se eu não tiver saúde.

MidiaNews – A próxima fase do tratamento, agora, depende do resultado do exame de DNA?

Homero – Sim. Dependemos disso para saber se vamos mudar o medicamento ou o tratamento. Porque o DNA vai ajudar a estratificar a doença para tentar atacar a origem e não a causa da doença. Hoje nós fazemos a quimioterapia, que ataca a causa. Mas a quimioterapia ‘judia’ muito da gente, porque ataca as células boas e ruins ao mesmo tempo.

MidiaNews – O senhor admite realizar algum tratamento fora do país?

Homero – Estou me tratando no Sírio-Libanês, que é uma referência nesses casos. Os médicos de lá têm me dito que qualquer coisa que se esteja fazendo no mundo, está se fazendo lá também. Eles chegaram a me recomendar para ir para Houston (EUA), que é exatamente para onde foi o material que a gente enviou para exame. Mas estou assim: onde falar que tem alguma coisa que possa ajudar, estou indo. Para se ter uma noção, ontem [quarta-feira] estive em Abadiana (GO). Fui visitar o [médium] João de Deus [da Casa Dom Inácio de Loyola].

MidiaNews – E como foi?

Homero – Foi tudo ótimo. Essa é a segunda vez que fui lá e vou continuar indo. Ele mesmo que me atendeu.

MidiaNews – Fizeram uma cirurgia espiritual?

Homero – Ainda não. Nós estamos fazendo um processo de tratamento, por enquanto. Eu fiquei lá por mais de três horas e senti uma áurea positiva. Você sai de lá muito mais animado.

MidiaNews – Como está a sua fé, sua expectativa para a cura, nesse momento?

Homero – Estou muito esperançoso. Logicamente que eu sei das dificuldades. Estou enfrentando algo que não é uma doença típica. Esse tumor, aliás, é atípico, porque os protocolos normais não têm sido eficazes. Tenho consciência de que estou travando uma batalha muito grande. Mas tenho esperanças de que vou superar. Aliás, é isso que nos mantém vivos. Tenho esperanças de que vai surgir algo novo que vai me ajudar a superar. Sigo apegado em Deus e correndo atrás [da minha recuperação], contando com a corrente de amigos, muitas vezes anônimos, que tentam me ajudar. Recebo mensagens de evangélicos, católicos, espíritas. Há pessoas que me mandam remédios caseiros, outras me mandam folhas para eu fazer um chá ou mudas de alguma coisa que pode me ajudar, para eu plantar em casa.

MidiaNews – Diante dessa nova visão que o senhor tem da vida, que crítica faria ao estado das coisas atualmente, com todo mundo apegado à matéria, consumo, bens, poder?

Homero – Quando você passa por uma situação de saúde como essa, é que você vê o quanto somos limitados diante do universo e que temos que repensar os nossos valores. Infelizmente, os valores que nós vemos expostos atualmente na mídia não são muito republicanos ou recomendáveis para as gerações futuras. Eu já estava convalescendo e assisti quase toda a visita do Papa quando esteve no Brasil. 100% das vezes em que ele se pronunciou, minha mulher e eu assistimos e pegamos suas palavras como lição. E ele falava muito sobre isso, de como estava preocupado porque, no mundo atual, quem tem dinheiro é quem tem poder. E ele estava tentando reintroduzir na igreja outros valores. E, claramente, isso vai se refletir nas próximas eleições. Eu acho que vai haver uma renovação muito grande lá no Congresso nacional, porque as pessoas estão passando a buscar novos valores e a criar novos líderes.

MidiaNews – Os políticos lidam diariamente com o poder. É um cidadão à parte, por assim dizer. Isso, de alguma maneira, tornou mais difícil a aceitação da doença?

Homero – Ao longo do meu mandato, todos já puderam notar o meu estilo. O poder nunca subiu à minha cabeça. Fui o segundo deputado federal mais votado nas duas eleições que participei, mas nunca tive essa sensação de ser o “todo-poderoso”. Sei que há muito mais ex-políticos do que políticos. Sempre busquei nivelar meus eleitores. Embora eu tenha começado ali como presidente da Famato, tenho convicção que muitos agricultores familiares e trabalhadores dos assentamentos votaram em mim. Então, isso significa que fiz ações sociais que alcançou esse tipo de pessoas.

MidiaNews – E como fica esse todo esse patrimônio político e eleitoral que o senhor tem? Pretende se afastar da política total e definitivamente ou quer trabalhar com isso de alguma forma?

Homero – A minha prioridade é a minha recuperação. Quero fazer o tratamento da minha saúde. Se no momento da eleição eu estiver em condições de estar transferindo, auxiliando de alguma forma, alguém que esteja identificado principalmente com esse perfil de eleitorado que eu gravito [agronegócio], que é o meu eleitorado, obviamente que eu pretendo ajudar. Mas, nesse momento, eu não tenho essa pretensão. Vou ajudar o meu partido, o PSD, que foi um partido que me recebeu bem. O que eu puder fazer, eu faço. Só que a minha prioridade é a minha recuperação.

MidiaNews – Com a sua saída do Congresso, o setor do agronegócio perde um representante de peso. Como isso está sendo trabalhado politicamente?

Homero – Eu já comuniquei às entidades e acredito que eles têm que se reunir e ver alguém para ocupar esse espaço. Porque o agronegócio é a atividade que move a economia de Mato Grosso, porém, do ponto de vista político, esse segmento tem sido meio desarticulado. Nós tivemos o nosso saudoso Jonas Pinheiro (DEM), que foi o precursor disso tudo. Eu tentei, humildemente, naquilo que pude, pegar essa bandeira [agronegócio] e carregá-la até aqui. Agora eu acho que alguém tem que pegá-la. Mas líder você não fabrica, ele tem que nascer naturalmente. Eu vou estimular para que possa surgir alguém com disposição e liderança suficiente para ocupar esse espaço.

MidiaNews – Quem teria esse perfil? O atual presidente da Famato, Rui Prado, por exemplo? Ou, quem sabe, o atual secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller?

Homero – O Rui já manifestou que pretende focar na Federação da Agricultura, apesar da especulação em torno do nome dele. O Neri já disputou duas eleições e, quem sabe, com esse aprendizado, possa tentar colocar seu nome, porque está ocupando um cargo importante e pode se projetar. Acredito que talvez algum deputado estadual, que pudesse se identificar e estivesse com disposição para ascender a deputado federal. Enfim, acho que o setor precisa se organizar para tentar colocar alguém lá. Preferencialmente, até mais do que um.

MidiaNews – Algum deputado estadual com esse perfil?

Homero – Olha, eu vou arriscar um nome. Gostaria muito que o deputado José Domingos Fraga (PSD), que é engenheiro agrônomo e do mesmo partido que o meu, pudesse assumir essa bandeira e tentar o cargo de deputado federal. Ele tem esse perfil.

MidiaNews – Com a sua saída, quem assume a vaga na Câmara Federal é o deputado Ságuas Moraes (PT), que tem um perfil diferente do seu e já afirmou que terá como bandeira a reforma agrária e a agricultura familiar. Como o senhor avalia isso?

Homero – Cada um tem seu estilo e, a partir do momento que o Ságuas assumir, o mandato será dele. Não conversei com ele sobre isso porque temos perfis diferentes. Ele tem um foco diferente do meu. Me especializei no agronegócio, enquanto o foco dele é educação.

MidiaNews – O senhor comentou, anteriormente, que voltou ao Congresso, durante a semana, para “esvaziar as gavetas”. Como foi a despedida?

Homero – Eu fui lá no plenário já como ex-deputado e pouca gente me reconheceu, porque eu saí de lá bigodudo e ainda com um restinho de cabelo. Aí, eu fiquei andando por lá meio como um anônimo. Você fica olhando tudo como espectador e percebe que aquilo ali não vai acabar nunca. Pense comigo: ontem, a turma do nosso segmento estava lá pegando o microfone, lutando por uma questão de dívidas, liderados pelo Jonas [Pinheiro]. Aí, eu ajudei a liderar toda aquela questão do Código Florestal que estava em pauta na agenda. Agora, a nossa turma está lá brigando porque questão de invasão de índios. Você nota que os assuntos não vão acabar nunca. É aí que você percebe a sua própria limitação. Porque nós somos passageiros. As instituições são permanentes. Quando você está nesse meio político, você acredita que as coisas não vão funcionar se você não estiver lá. Aí, quando você sai, você percebe que as coisas funcionam até melhor sem você por lá.

MidiaNews – Que mensagem o snehor gostaria de dar para os seus eleitores e simpatizantes, nesse momento, que imagina-se que seja difícil, que é encerrar uma carreira política que foi coroada?

z – A primeira mensagem que eu deixo é de agradecimento. Sou muito grato aos votos de confiança que recebi. Procurei corresponder às expectativas que as pessoas depositaram em mim e acho que consegui, porque vocês podem ver que de uma eleição para outra o meu número de votos cresceu. Nesse momento, em que estou me retirando da vida pública, eu só tenho a agradecer. Infelizmente, não por vontade minha, mas por uma situação biológica, estou sendo obrigado a sair da política. Porém, procurei deixar um legado de atitudes republicanas. Acho que não envergonhei o Estado de Mato Grosso no tempo que passei lá [no Congresso]. Você pode pesquisar em qualquer lugar que não vai encontrar um ato meu que tenha envergonhado algum eleitor que votou em mim. Então, só tenho a agradecer, porque a vida continua. Além de agradecer, acho que é um momento em que eu tenho que pedir, né? Pedir por orações…

Fonte: Midia News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *