Juiz do DF determina retirada de sem-terra de fazenda de café



Grupo fez ocupação para denunciar suposta prática de trabalho escravo. Empresa nega irregularidade e diz que trabalhadores são registrados.

A Justiça do Distrito Federal determinou nesta segunda-feira (28) que os trabalhadores ligados ao Movimento dos Sem Terra (MST) deixem a fazenda de café Santa Isabel, às margens da DF-131, na área rural de Planaltina. Cerca de cem integrantes invadiram a propriedade na madrugada do último sábado (26) para denunciar suposta prática de trabalho escravo na região.

O terreno pertence a uma empresa agrícola. Por telefone, um dos diretores disse à reportagem da TV Globo que há 300 mil pés de café nos 58 hectares da fazenda. Ele negou a denúncia de trabalho escravo e disse que todos os funcionários têm registro na carteira de trabalho.

Os donos da fazenda entraram com o pedido de reintegração de posse ainda no fim de semana. No despacho, o juiz afirmou que a propriedade é produtiva e autorizou uso da força policial para retirada dos manifestantes, em caso de necessidade.

A empresa também disse que atendeu todas as recomendações do Ministério Público do Trabalho. A Secretaria de Governo informou que já entrou em contato com os sem-terra para que a saída seja pacífica. Coordenador do movimento e porta-voz da ação, Edmar Tavares afirma que trabalhadores foram resgatados da fazenda no início do mês em condições análogas às de escravos. O grupo teria sido aliciado na Paraíba. O resgate ocorreu com a ajuda do Ministério Público do Trabalho.

“A reivindicação é pautar a reforma agrária não só a nível do Distrito Federal, mas a nível nacional”, disse Tavares. “Queremos que valha o que é previsto pela PEC 438. Tem 623 famílias aqui.”

Grupo ligado ao Movimento dos Sem-Terra que participa da invasão a uma fazenda no DF para denunciar trabalho escrevo (Foto: TV Globo/Reprodução)
Grupo ligado ao Movimento dos Sem-Terra que participa da invasão a uma fazenda no DF para denunciar trabalho escrevo (Foto: TV Globo/Reprodução)

O Ministério Público do Trabalho informou que no começo de julho fiscais do órgão encontraram 33 trabalhadores alojados em situação insalubre e sem equipamentos individuais de segurança. Entre eles, havia um garoto de 15 anos.

O MPT disse que fez nova fiscalização e que os trabalhadores voltaram para a cidade de Nova Floresta, na Paraíba, após receberam os direitos trabalhistas.

PEC do Trabalho Escravo A Proposta de Emenda à Constituição 438, conhecida como PEC do Trabalho Escravo, foi promulgada pelo Congresso Nacional no dia 5 de junho. Ela permite a expropriação de imóveis onde forem flagrados trabalhadores em situação análoga à escravidão.

A emenda constitucional ainda precisa ser regulamentada para definir o que será considerado trabalho escravo. Pelo texto, os proprietários dos imóveis desapropriados não terão direito à indenização e ainda estarão sujeitos às punições previstas no Código Penal.

Veja mais fotos: 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *