Ministro da Agricultura diz que é contra desapropriações de produtores



Foi muita positiva a participação do ministro Antônio Andrade  na reunião-almoço da FPA, diz Heinze        

O ministro da Agricultura, Antônio Andrade (PMDB), afirmou em entrevista coletiva, após participar de reunião-almoço com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), que a desapropriação de áreas produtivas para a criação de terras indígenas é preocupante. Ele afirmou que levantamento feito pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mostrou que muitas áreas reivindicadas pelos indígenas estavam ocupadas pelos produtores rurais antes de 1988.

Andrade disse que a questão das desapropriações para criação de reservas indígenas preocupa muito o Ministério da Agricultura. “Não queremos perder áreas produtivas”, afirmou. Ele salientou que tem trabalhado junto à áreas do governo que tratam da questão indígena (ministérios da Justiça e Casa Civil), para demonstrar a preocupação com a “intranquilidade jurídica que há em todo setor”.

O ministro revelou aos membros da FPA que a safra brasileira de grãos,  ciclo 2013/14, cujo plantio está em andamento nas regiões produtoras, pode alcançar o recorde entre 190 e 200 milhões de toneladas de grãos, caso as condições climáticas sejam favoráveis até o final da colheita. Andrade  disse na coletiva à imprensa  que até agora tudo está ocorrendo bem no campo o que permite fazer tais projeções tão positivas.

A reunião realizada sempre às terças-feiras pela FPA, para acertar a atuação da bancada rural ao longo da semana no Congresso Nacional, recebeu nesta terça-feira, 08, um número expressivo de parlamentares, que foram discutir com o ministro a questão indígena, que é o principal assunto da pauta neste ano, assim como o Código Florestal foi até o ano passado. O presidente da FPA, deputado federal Luis Carlos Heinze (PP/RS) destacou a importância de o ministro ter assumido publicamente o posicionamento contra a desapropriação de áreas produtivas. “É mais uma força que soma para resolvermos este impasse que temos na sociedade brasileira.”

No encontro que durou mais de uma hora, os parlamentares falaram com  o ministro sobre as preocupações com os cortes nos orçamentos do Ministério da Agricultura, que afetam principalmente as atividades da Defesa Agropecuária. O deputado federal Valdir Colatto (PMDB/RS) afirmou que os parlamentares vão fazer uma ação política junto à área econômica do governo para tentar a liberação dos recursos que estão contingenciados. Em relação à Defesa Agropecuária, Antônio Andrade reforçou que não pretende tirar o comando o advogado Rodrigo Figueiredo. Na reunião desta terça o ministro estava acompanhado do ex-secretário de Defesa Agropecuária o veterinário Ênio Marques, seu novo assessor especial, a quem chamou de “meu braço direito e mentor”.

(Com Agência Estado)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *