Agricultura de Baixo Carbono no radar da FPA



O programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) está no radar da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e deve ser fortalecido nos programas dos candidatos à presidência da República. Elaborado pelo Ministério da Agricultura, o Plano ABC tem sido realçado nos debates presidenciais no contexto da preservação ambiental e implementação do novo Código Florestal Brasileiro, aprovado pelo Congresso Nacional em maio de 2012. O programa visa reduzir a emissão de gases que provocam o efeito estufa, prejudicial à camada de ozônio.

O consultor técnico da FPA, Celio Porto, defende o acompanhamento da aplicação do plano. A seu ver,  “sem monitoramento, é impossível comprovar a redução das emissões desses gases e a eficácia das tecnologias financiadas pelo Programa”.  Numa proposta aos presidenciáveis, foi sugerida a criação de um programa de inteligência climática na agricultura para indicar áreas prioritárias na implementação das ações de governo a partir dos riscos das mudanças no clima, e também, o desenvolvimento de pesquisas para aferir o impacto de cada subatividade financiada pelo Programa ABC.

Outra questão importante é a inclusão de tecnologias mais adequadas ao bioma amazônico. “As tecnologias contempladas pelo Plano foram estabelecidas a partir do modelo produtivo das regiões Sul e Sudeste e não levam em consideração as particularidades de algumas regiões do País”, esclarece Porto.

O Plano ABC prevê a redução da emissão por meio da disseminação de seis tecnologias: recuperação de pastagens (a principal meta); integração lavoura-pecuária, lavoura-pecuária-floresta e sistemas agroflorestais; fixação biológica de nitrogênio; sistema de plantio direto; tratamento de dejetos animais e florestas plantadas.

A maioria delas já é adotada na agropecuária brasileira. O desafio do novo governo é acelerar a disseminação e adoção dessas ações e tecnologias, de forma a alcançar escala que resulte nas reduções de emissões desejadas.

Documento entregue dias atrás aos presidenciáveis foi elaborado pelo Observatório ABC com apoio das seguintes instituições: ABAG, ABIEC, Agroicone, Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, Arefloresta, FAPE-DF, Imaflora, Imazon, ICV, IPAM, Famato, GTPS e Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal.

(Com Assessoria do Observatório ABC)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *