Deputados do Nordeste defendem criação do Funpalma



 Com parecer favorável do deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), a Comissão de Agricultura da Câmara Federal aprovou esta semana, por unanimidade, a criação do Fundo de Apoio à Cultura da Palma Forrageira (Funpalma), cujo Projeto de Lei 6947/13 é de autoria do deputado Alexandre Toledo (PSB-AL). A aprovação da proposta contou com o apoio da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) do Congresso Nacional da qual os dois parlamentares são membros atuantes.

Na defesa da criação do Funpalma, o deputado Gomes de Matos disse que o projeto pretende fortalecer e estimular a produção no Nordeste e no Brasil da palma forrageira – alimento mais utilizado pelos produtores nas bacias leiteiras principalmente na época de estiagem, mantendo-se nutritiva ao longo desse período seco. Além disso, a palma possui características que a tornam importante para a pecuária, tanto pela capacidade de adaptação, rusticidade e longevidade no semiárido, como pela aceitabilidade pelo gado.

O deputado Toledo explicou que o Funpalma será alimentado por várias fontes de recursos, tais como doações e contribuições de entidades públicas e privadas, aportes de convênios firmados com diferentes instituições, rendimentos de aplicações financeiras e recursos orçamentários da União e créditos adicionais. “Nossa ideia é criar alternativas de financiamento e incentivo de fomento à agroindústria da cadeia leiteira e pecuária em geral com promoção da inovação tecnológica para a cultura da palma”, detalhou.

Vantagem – A produção obtida em um hectare de palma adensada é de aproximadamente 300 t a cada dois anos, o que permite alimentar, no período de seca, 30 vacas durante 180 dias com um consumo médio diário de 50 kg de palma por animal. A consolidação dessa cultura como ração evitará a morte, por inanição, do rebanho bovino regional e prejuízos incalculáveis na economia e se evitaria cenas periodicamente repetidas de flagelados saqueando feiras e mercados em busca de alimentos na cidade para matar a própria fome.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *