O agronegócio brasileiro nos próximos 10 anos



Dilceu Sperafico*

Se o País comemorou, com justiça, a superação dos 200 milhões de toneladas de grão na safra 2014/2015, o agronegócio e a economia nacional terão muito mais a festejar na próxima década.

Aproveitando condições e potencialidades excepcionais, como extensão territorial, fertilidade do solo, clima generoso, mananciais de água excepcionais, tecnologia avançada e produtores com tradição e vocação para a atividade, o Brasil deve elevar ainda mais a sua produção agropecuária nos próximos anos.

Conforme o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a safra brasileira anual de grãos deverá crescer cerca de 60 milhões de toneladas,  no prazo de 10 anos.

A estimativa consta da publicação “Projeções do Agronegócio – Brasil 2014/2015 a 2024/2025”, produzida pela Assessoria de Gestão Estratégica do Mapa, em colaboração com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Segundo a projeção, disponibilizada ao final de julho último, a produção brasileira de grãos, que atingiu 200,7 milhões de toneladas neste ano, deverá alcançar  259,7 milhões de toneladas, na safra 2024/2025.

O avanço significativo, conforme o relatório, será obtido pelo agronegócio brasileiro com a elevação da produção de soja em grão, trigo, carne de frango, carne suína, açúcar, algodão em pluma, cana-de-açúcar, maçã, melão e celulose.

Para isso, além dos investimentos em tecnologia e elevação da produtividade, qualidade e sanidade dos alimentos, contribuirão a ampliação do mercado interno e o aumento da demanda internacional.

Com mercado garantido para a produção, os preços deverão ser compensadores e os agricultores irão corresponder a esses incentivos, consolidando o País como um dos maiores produtores e exportadores mundiais de grãos e matérias-primas oriundas do campo.

O estudo indica também que a produção de carne bovina, suína e aves deverá crescer em 7,9 milhões de toneladas nos próximos 10 anos, o que significará acréscimo de 30,7% em relação à produção de proteína animal em 2014/2015.

O relatório acrescenta que as carnes de frango e de suíno serão as que deverão apresentar maior crescimento na próxima década. A carne de suíno e derivados deverá crescer 35,1% nos próximos 10 anos e a carne de frango terá expansão de 34% .

Esses números devem ser comemorados ainda mais pelo agronegócio e agroindústria do Oeste do Paraná e do próprio Estado, que são os maiores produtores nacionais de carne de suíno e frango e derivados, com benefícios cada vez maiores para os agricultores e empresários e trabalhadores urbanos.

No mesmo período, a produção de carne bovina deverá apresentar crescimento de 23,3%. O cultivo de grãos e outras lavouras, segundo o levantamento do Mapa e Embrapa, deverá ser ampliado dos atuais 71 milhões de hectares para 82 milhões de hectares, na safra 2024/2025.

A expansão terá como principal destaque a cultura da soja, com mais 9,7 milhões de hectares. Já o plantio de  cana-de-açúcar deverá crescer em 2,3 milhões de hectares, de trigo em  mais 625 mil hectares e do milho, com cultivo ampliado em 442 mil hectares.

A publicação “Projeções do Agronegócio” é elaborada anualmente e tem o objetivo de projetar possíveis cenários de desenvolvimento do agronegócio brasileiro, oferecendo subsídios para o melhor direcionamento das políticas públicas de incentivo e apoio ao agricultor nacional, que está entre os mais dedicados e eficientes do mundo.

*O autor é deputado federal pelo Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *