Índios. Comitiva de deputados vai à região de conflito



Uma comissão externa formada por parlamentares vai visitar na semana que vem acampamentos e terras indígenas Guarani-Kaiowá, onde nos últimos dias se vive uma verdadeira guerra civil entre índios e produtores rurais, fomentada por Ongs, no município de Coronel Sapucaia (MS). Subscrito pelos deputados Tereza Cristina (PSB-MS) e Carlos Marum (PMDB-MS), requerimento neste sentido foi aprovado na manhã desta quarta-feira (1º/7) pela Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados.

Membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), os dois deputados relatam que “se trata de uma situação extremamente gravosa, permeada de ânimos alterados e contínuas ameaças, nada fora realizado pelo Ministério da Justiça para que a situação ganhasse contornos que apontasse a uma saída pacífica”. Diante desse turbulento cenário na região, a comitiva de deputados vai visitar aldeias e propriedades “na tentativa de se buscar um convívio sustentável no interesse de ambas as partes”.

A deputada Tereza Cristina salientou que seria imprescindível a participação das autoridades governamentais na condução das tratativas desse conflito, porém, essa participação tem sido totalmente omissa e evasiva, daí esse assanhamento de certas Ongs no incentivo ao conflito. “Se há nítido interesse em descumprir ordens judiciais, violando o estado democrático de direito, faz mais do que necessária a intervenção e a fiscalização desta Câmara Federal na motivação dessas brigas ora existentes no Mato Grosso do Sul”, enfatizou.

Segundo o deputado Marun, o maior problema do Brasil é o impasse sobre a questão indígena. Com uma população estimada em 900 mil indígenas, o deputado alertou que 113 milhões de hectares já são destinados aos povos nativos. Ele criticou a forma com que índios invadiram propriedades na fronteira de Mato Grosso do Sul como forma de protesto. “É preciso tomar providências para o respeito constitucional ao direito de propriedade, evitando conflitos entre fazendeiros e indígenas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *