Crédito rural chega a 60% do Plano Safra em janeiro



O crédito rural para agricultura empresarial alcançou R$ 94,1 bilhões, de julho de 2014 a janeiro deste ano. O valor, divulgado nesta segunda-feira (16/3) pelo Ministério da Agricultura, refere-se às operações de custeio, investimento e comercialização e, de acordo com o governo, corresponde a 60,3% do previsto no Plano Safra 2014/2015, de R$ 156,058 bilhões.

O resultado apresenta uam queda de 3,4% em relação a igual período de 2013/2014, quando foram aplicados R$ 97,4 bilhões. De acordo com a Secretaria de Política Agrícola, foi resultado da redução dos financiamentos a agroindústrias.

“A partir de fevereiro e março, as contratações em operações de custeio de produtos da safra de inverno, com destaque para o trigo, o milho segunda safra, e empréstimos de comercialização para os grãos que se encontram em fase de colheita serão intensificados. Também deverão ter uma demanda forte os financiamentos para investimentos”, explicou Wilson Vaz de Araújo, diretor do Departamento de Economia Agrícola, da Secretaria de Política Agrícola, no comunicado.

Ainda de acordo com o Ministério, R$ 67,3 bilhões foram aplicados em custeio e comercialização no período. O valor corresponde a 60% do programado para a safra 2014/2015 (R$ 111,9 bilhões). Já para investimentos, dos R$ 44,1 bilhões programados, foram investidos R$ 26,7 bilhões, ou 60,6% do total.

Médio produtor

As contratações para o médio produtor, no âmbito do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), atingiram R$ 7,79 bilhões em recursos para custeio. Já para operações de investimento, o programa aplicou R$ 3 bilhões. O Pronamp, ao todo, conta com R$ 16,105 bilhões para a safra atual.

Segundo o comunicado do Ministério, os financiamentos do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) contabilizaram R$ 8,5 bilhões para a aquisição de máquinas agrícolas. Em relação ao Moderfrota, reativado nesta safrs e que vem concentrando os financiamentos de maquinário agrícola, dos R$ 3,7 bilhões programados R$, foram contratados R$ 136,7 milhões.

O Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) totalizou R$ 2,2 bilhões. Somam-se a esses mais R$ 366 milhões aplicados no âmbito do PSI – Cerealistas.

Já o Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono) respondeu por R$ 2,2 bilhões, de um total disponibilizado de R$ 4,5 bilhões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *