FAO eleva estimativa de produção e estoques de cereais em 2014



Alta é resultado do aumento do consumo médio per capita de grãos, estimado em 153,3 quilos

(Foto: Débora Feddersen/Ed.Globo)
A perspectiva é de que os estoques globais de grãos ao final da temporada 2014/2015 sejam os maiores em 15 anos (Foto: Débora Feddersen/Ed.Globo)

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) elevou sua estimativa de produção mundial de cereais em 2014, para 2,542 bilhões de toneladas, alta de 1% na comparação com a projeção do ano anterior. O incremento reflete os ganhos de rendimento na Argentina, Ásia Central e Europa.

Para a temporada 2014/2015, a FAO projeta que o uso de cereais para alimentação atinja 1,107 bilhão de toneladas. O número representa incremento de 1,4% ante a temporada anterior, resultado do aumento do consumo médio per capita de grãos, estimado em 153,3 quilos. Já o volume de cereais usado em ração animal deve ter alta de 4%, para 877 milhões de toneladas.

A perspectiva é de que os estoques globais de grãos ao final da temporada 2014/2015 totalizem 631 milhões de toneladas, maior nível em 15 anos. A elevação de 1,3% na estimativa é resultado, em parte, da revisão das estimativas de estoques da China e da Ucrânia no ano passado e da projeção de produção maior.

A FAO também elevou sua previsão de comercialização em 2014/15 para 344 milhões de toneladas, 3 milhões de toneladas acima da estimativa anterior. Entretanto, a projeção ainda implica uma queda de 3,7% ante o recorde alcançado em 2013/2014.

Com o desenvolvimento da safra de trigo de inverno no hemisfério, a FAO divulgou também sua primeira estimativa de produção do cereal em 2015. A projeção é de que a safra totalize 720 milhões de toneladas, o que representa queda de 1% na comparação com a safra recorde de 2014. Segundo a FAO, o rendimento das lavouras na Europa deve cair e ficar na média histórica, após apresentarem alta no ano passado. Na América do Norte e Ásia, em compensação, o rendimento deve aumentar, mas não o suficiente para compensar as perdas na Europa.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *